A regra do silêncio, também conhecida como o silêncio é ouro, é uma parte importante da filosofia do Unix que afirma que quando um programa não tem nada de surpreendente, interessante ou útil a dizer, não deve dizer nada. Isso significa que programas bem desenvolvidos devem tratar a atenção e a concentração de seus usuários como valiosas e, assim, executar suas tarefas da maneira mais discreta possível. Ou seja, o silêncio em si é uma virtude.

Não existe uma declaração padronizada e única da filosofia do Unix, mas talvez a descrição mais simples seja: “Escreva programas pequenos, simples e transparentes. Escreva-os para que façam apenas uma coisa, mas façam bem e possam trabalhar juntos com eles em outros programas “. Ou seja, a filosofia se concentra nos conceitos de pequenez, simplicidade, modularidade, artesanato, transparência, economia, diversidade, portabilidade, flexibilidade e extensibilidade.

A regra do silêncio é uma das regras de design mais antigas e persistentes desses sistemas operacionais. Por mais intuitiva que essa regra possa parecer para os usuários experientes de tais sistemas, ela é frequentemente ignorada pelos desenvolvedores de outros tipos de sistemas operacionais e programas de aplicativos para eles. O resultado é muitas vezes distração, aborrecimento e frustração para os usuários.

Existem várias razões muito boas para a regra do silêncio: (1) Uma é evitar sobrecarregar a mente do usuário com informações que podem não ser necessárias ou até desejáveis. Ou seja, informações desnecessárias podem ser uma distração. Além disso, as mensagens desnecessárias geradas por alguns sistemas operacionais e programas de aplicativos às vezes são mal formuladas e podem causar confusão ou preocupação desnecessária por parte dos usuários.

(2) Um segundo motivo é evitar o entulho da tela. Ainda hoje, o espaço da tela pode ser muito limitado em algumas situações especiais.

(3) Uma terceira razão é que os programas de linha de comando (ou seja, programas em modo texto) em sistemas operacionais do tipo Unix são projetados para trabalhar em conjunto com pipes, ou seja, a saída de um programa se torna a entrada de outro programa. Essa é uma característica importante desses sistemas e é responsável por grande parte de seu poder e flexibilidade. Conseqüentemente, é importante ter apenas as informações realmente importantes incluídas na saída de cada programa e, portanto, na entrada do próximo programa.

A regra do silêncio não significa que menos informação esteja disponível. Em vez disso, por padrão, ele simplesmente não fornece informações que provavelmente não são necessárias na maioria das situações. No entanto, ele permite que o usuário use opções, também conhecidas como opções, para visualizar informações detalhadas, se desejado. Muitos programas de linha de comando têm uma opção detalhada e geralmente é -v.

A regra do silêncio originalmente se aplicava aos programas de linha de comando, porque todos os programas eram originalmente programas de linha de comando. No entanto, é igualmente aplicável aos programas GUI (interfaces gráficas de usuário). Ou seja, informações desnecessárias e irritantes devem ser evitadas, independentemente do tipo de interface do usuário.

Um exemplo são as caixas de diálogo inúteis e irritantes (pequenas janelas) que aparecem na tela com uma frequência surpreendente em alguns sistemas operacionais e programas. Essas caixas de diálogo contêm alguma mensagem óbvia, enigmática ou desnecessária e exigem que o usuário clique nelas para fechá-las e continuar o trabalho. Isso é uma interrupção da concentração e uma perda de tempo para a maioria dos usuários. Essas caixas de diálogo devem ser empregadas apenas em situações em que algum resultado inesperado possa ocorrer ou para proteger dados importantes.

A regra do silêncio se originou porque o UNIX foi desenvolvido originalmente antes da disponibilidade de exibições de vídeo de alta qualidade. A maior parte da saída foi enviada para terminais de impressão lenta, e cada linha de saída desnecessária foi um dreno significativo no tempo do usuário. Embora essa restrição tenha desaparecido há muito tempo, existem excelentes razões para a concisão.

Como é o caso de muitas outras coisas na filosofia do Unix, a regra do silêncio pode se aplicar a muito mais do que apenas computadores. Por exemplo, os controles dos produtos devem ser projetados por padrão apenas para fornecer as informações que provavelmente são necessárias ou interessantes para a maioria dos usuários, a fim de minimizar distrações e possíveis erros do usuário. Mas deve ser fácil para os usuários fazer ajustes para que informações adicionais possam ser fornecidas, se desejado.

Uma chave para a capacidade de aplicar a regra do silêncio é tornar a operação de computadores, controles industriais e outros produtos o mais intuitiva possível, para que caixas de diálogo, janelas com explicações, dicas de ferramentas, sons de campainha etc. raramente sejam necessárias por padrão ( mas pode ser facilmente ativado se e quando desejado). Essa também é a chave para uma boa documentação de produtos, ou seja, minimizar a necessidade dela em primeiro lugar, mas, em seguida, disponibilizá-la prontamente para fornecer informações além do que a maioria dos usuários precisa ou deseja conhecer na maioria das vezes.

http://www.linfo.org/rule_of_silence.html

Author

Um nerd nada tradicional… Desenvolvedor web full-stack, escritor amador e inventor nas horas vagas. Apaixonado por tecnologia e entusiasmado por projetos de código aberto!